terça-feira, maio 15, 2007

Cinema na televisão, "a treze de Maio"...

Nos últimos tempos tem sido só agricultura para aqui e agricultura para ali. Saio do escritório, vou para a lavoura, chego a casa completamente de rastos e já só há tempo e cabeça para, quando muito, ver um filme que passe na televisão. Já não subo lá acima ao sótão, já não vejo um filme de jeito há pelo menos três semanas e, naturalmente, falta-me assunto para escrever neste blog...

A coisa vai continuar assim durante uns tempos, até porque o fascínio da lavoura me anda a subir à cabeça à medida que o tempo vai passando. No entanto, anteontem quando cheguei a casa, ainda tive tempo para ver um filme que passava na televisão e, de tão hediondo que se mostrou, terei que falar nele...

O filme chama-se "The Miracle of our Lady of Fatima" e foi realizado em 1952 por Jonh Brahm.

Aproveito para dizer, desde já, que não tenho qualquer fé religiosa e, embora respeite aqueles que a têm, não deixo, no entanto, de me sentir intrigado e até um pouco confuso por fenómenos desta Natureza...

A primeira pérola do filme aparece logo ao início, numa espécie de prólogo introdutório. Diz-se que houve em Portugal uma revolução, a qual teve lugar em 1910 e, levada a cabo por um grupo de socialistas, tentou abolir todas as manifestações de fé católica no país. De imediato fiquei espantado por estas considerações históricas, até porque, o que sei da Revolução de 1910, me leva a crer ter a mesma sido efectuada por um grupo de burgueses, daí o seu epíteto de "Revolução Republicana"...

Mais, diz-se no filme que os socialistas perseguiram os padres, prendendo-os e tentando controlar ditatorialmente todas as manifestações de fé. Ora, comprendendo, como compreendo, o carácter laico da Revolução de 1910, consigo perceber muito bem quais as razões que levaram à perseguição da Igreja Católica, sendo certo que nenhuma delas se deveu à tentativa de instauração de um regime comunista em Portugal no ínicio do século passado.

E assim vai o filme continuando, sempre com o comunismo como pano de fundo, tentando dar a entender que Fátima foi a razão pelo qual o mesmo foi travado.

Há muito que considerava Fátima um fenómeno propagandístico do mais alto nível, mas até ter visto este filme não tinha entendido a questão na sua acepção plena... Meia dúzia de doidos em volta de três miúdos que supostamente comunicavam com a "Senhora" e progressivamente mais doidos e mais algazarra e mais fé e mais ignorância e mais pretextos para lutar contra o suposto comunismo e manter o atraso de um Portugal muito pouco iluminado pelo progresso...

Foi de fenómenos como este que se fez a história do Portugal de grande parte do séc. XX... Ora Fátima, ora futebol, ora fado... Só restaria porventura dizer "ora f***-se"!

Quanto ao filme propriamente dito, caberá dizer apenas que é brilhante na sua mediocridade artística, pomposo nas suas fundadas considerações ideológicas e honesto na intenção programática de conservar um Portugal genuíno na pobreza, na ignorância e no atraso...

Ironias à parte, vejam o filme se puderem, vale a pena analisa-lo como documento histórico e propagandístico, no que à manietação de massas menos informadas diz respeito...

3 comentários:

Luís Alves disse...

VI O FILME ANTES DE ONTEM E FARTEI-ME DE RIR, OS PORTUGUESES MAIS PARECIAM UNS MARIACHIS, COM MUITAS "IMPRECISÕES" (PARA SER BRANDO) HISTÓRICAS.

Ursdens disse...

Vá lá que alguém viu a pérola... uff...

Bonito não? :P

Cumprimentos cinéfilos!

Shinobi disse...

Apesar de ser católico, sinceramente deu-me o sono...Do pouco que vi, o filme não valia absolutamente nada!

Cumprimentos e boa lavoura!