quarta-feira, maio 31, 2006

Match Point

Woody Allen de regresso, desta vez sem um papel de actor no filme, concentrando-se, mais e com maior empenho, na realização. Match point é um filme diferente, diferente sobretudo por não ser habitual em Allen, não se comparando sequer ao período "Bergmaniano", de maiores preocupações cénicas e estéticas, onde despontam filmes como "Manhattan" ou "Annie Hall". Isto porque, embora o rigor não esteja posto de parte na realização de Match point, Allen deixa de lado conceitos que sempre figuraram como lugar comum no seu cinema. Com efeito, a acção não tem o ritmo próprio de Woody Allen, talvez por já não ser a sua Manhattan o pano de fundo, mas a fria e soturna cidade Londrina.

É, no entanto, um filme sobre relações, sobre relações amorosas, sobre o casamento e a infidelidade, a mentira e a cumplicidade, talvez em termos conceptuais, um prolongamento de "Annie Hall". Avistamos, porém, dois conceitos que são explanados, de uma forma, nunca antes vista, no cinema de Allen - A sorte e a obsessão.

O filme começa, aliás com um discorrer sobre o primeiro dos citados conceitos, explicando-se, desta forma, o título "Match point". É apresentada uma rede de ténis com uma bola a deambular de campo a campo, metaforizando-se a situação da "net ball" como uma alegoria aos acontecimentos fortuitos que determinam o futuro. Neste âmbito a situação é similar ao argumento de "Instantes decisivos" tcc "Sliding doors", do realizador Peter Howitt. No entanto, parece-nos, mais que tudo, um evocar do plano final da obra prima de Michelangelo Antonioni, "Blow Up" e, porventura até, uma "homage".A situação da bola de ténis e da rede apresenta-se, aliás, como a chave do filme, constituindo um significante da ideia que, a final, se vem a concretizar, aquando da cena da aliança e da ponte sobre o Tamisa.

É uma história de relações, de poder, de ascenção e até de obsessão. Chris, interpretado por Jonathan Rhys Meyers, é um antigo tenista profissional Irlandês que nunca alcançou muito sucesso e que se instala em Londres para dar aulas de ténis num clube de elite. Aí conhece Tom, que mais tarde o vem a apresentar à sua irmã Chole, com a qual acaba por se casar por dinheiro. Ao mesmo tempo, Chris conhece também Nola, a namorada de Tom, personagem magnificamente interpretada por Scarlett Johansson.

Entre os dois gera-se imediatamente uma atracção, mesmo antes de Chris saber que Nola era a namorada de Tom, e que acaba por desembocar numa relação oculta e de forte componente sexual.

É do triângulo amoroso entre Chris, Chloe e Nola que "Match Point" respira uma ambiência de intriga e sedução, desembocando no assumir de responsabilidades por parte de Chris, e num mini-ensaio cinematográfico acerca do sentimento de culpa, evocação clara a uma das grandes referências de Allen em termos de cinema, Ingmar Bergman.

Um filme que vale, definitivamente a pena, e que constitui, seguramente, um dos melhores trabalhos de Woddy Allen como realizador.

3 comentários:

Lua Obscura disse...

Achei brilhante!

Ursdens disse...

E não era para menos... O filme é soberbo!
Já agora, os meus cordiais cumprimentos ao primeiro participante neste blog, vai aparecendo, és bem vinda!
Mantenho isto um bocado no anonimato, interessa-me o cinema, só isso...
Vi o teu blog, está óptimo, um dia destes passo por aí para deixar uns comentários.
Saudações projectícias!

Anónimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on! Last minute london Anal tongue fucking free phones http://www.zyban-tablet.info/nissan-300zxwide-body-kits.html Asian free gallery asians pee Louisiana bextra lawyer .25 milligrams of klonopin for panic Whip pain relief Car surf racks hawaii Asian avenue com fanklub fiat Corner curio cabinet sale dry pregnant sex