terça-feira, março 27, 2007

Aronofsky deveria começar a beber de outras "fontes"...

O último filme de Darren Aronofsky, “The Fountain”, é um exercício cinematográfico de uma peculiaridade extrema. Rompendo com a linha de “Requiem for a Dream” e continuando a sua obstinação por universos fantásticos, na senda da sua primeira longa metragem, “Pi”, Aronofsky oferece-nos uma narrativa complexa, tão complexa que acaba por se tornar um tanto ou quanto claustrofóbica…

Devo dizer que não me agrada a temática do filme, talvez por me cheirar a cliché em todos os seus recantos. Fontes da juventude, árvores da vida, eternidade, morte como um início, etc. etc. etc. … Enfim, uma série de ideias demasiadamente gastas para merecerem um esforço desta envergadura.

“The Fountain” foi, durante muitos anos, o “projecto de vida” de Aronofsky. Empolgado pela realização do filme, não mediu esforços no que à mesma diz respeito. O resultado é sabido e já comum na história de muitos filmes… Os produtores vão perdendo paulatinamente a paciência perante a intransigência dos supostos “Auteurs” e a obra vai-se desvirtuando à medida que o tempo passa…

Não consigo imaginar como seria o “The Fountain” que Aronofsky inicialmente concebeu, mas uma coisa me parece, este não foi de certeza! Não é que o filme seja “mau, ponto final”, mas é tortuoso, entediante, vulgarmente cansativo e, por vezes desconexo.

O final é de uma esquizotimia atroz! A dada altura o ecrã fica branco, pensamos que o filme vai acabar e, de repente, surge uma árvore radiosa e cintilante, vinda sabe-se lá de onde, que quase nos turva o olhar… E não é um daqueles “turvares” calorosos e aconchegantes, bem pelo contrário…
As interpretações são medíocres, a fotografia é medíocre, a narrativa é medíocre, a temática é medíocre e até Clint Mansell nos oferece uma banda sonora medíocre quando comparada à de “Requiem for a Dream”. Faltou, porventura, o toque dos “Kronos Quartet”.

Devo dizer, no que à minha opinião sobre Aronofsky diz respeito, que, ao contrário de muitos, não achei “Pi” nada de especial. Um filme medianamente interessante, com uma fotografia esplendorosa e pouco mais… “Requiem for a Dream” é uma obra prima e disso poucos terão dúvidas! “The Fountain” é o parente pobre, para não dizer o cadáver jacente alado aos dois primeiros.

Quando saí do cinema ouvi, ao de leve, uma conversa entre dois indivíduos. Dizia um para o outro: - “Eh pá, foi o pior filme da minha vida, que desilusão!” Ao que o segundo retorquiu: -“A fotografia e tal até é jeitosa, mas o filme de facto não vale nada…”

POR FAVOR! Não tentem salvar Aronofsky, não vale a pena… A fotografia não é jeitosa não senhor! É medíocre, como disse anteriormente, senão mesmo má…

Com “The Fountain” esventram-se as esperanças depositadas num jovem realizador. Espero estar enganado e faço minhas as palavras de Aronofsky: “Requiem for a Dream”!

4 comentários:

P.R disse...

Não temos opiniões similares em relação a este filme... Mas só um apontamento: a Banda-sonora de Clint Mansell tem também o contributo dos "Kornos Quartet"...

Ursdens disse...

Boas p.r.!

De facto tens alguma razão no que dizes...

Lembro-me que pesquisei a ficha técnica no imdb para confirmar a presença dos Kronos Quartet e nessa ficha só consta o nome dos Mogwai.

A verdade é que não me lembro de ouvir um quarteto de cordas na banda sonora de "The Fountain". Se lá estão devem ter um peso muito diminuto...

De qualquer forma tenho que voltar a ver o filme para tirar a dúvida.

Quanto à tua opinião sobre o filme, respeito-a, obviamente, embora continue a achar que o filme, objectivamente falando, ou seja, do ponto de vista da qualidade, não é nada por aí além... Se calhar tinha expectativas muito altas antes de o ver...

Guardarei nova opinião para um revisionamento.

Cumprimentos cinéfilos

gonn1000 disse...

"Não é que o filme seja “mau, ponto final”, mas é tortuoso, entediante, vulgarmente cansativo e, por vezes desconexo."

Hum, pelo que disseste a seguir parece que o consideras mesmo muito mau... Não acho que seja plenamente conseguido nem tão bom como "Requiem for a Dream", mas está muito acima da medicoridade.

Ursdens disse...

Boas gonn1000!

Não acho k o filme seja nenhuma aberração, simplesmente penso foi tempo mal empregue...

Muito francamente não consigo encontrar razões para, objectivamente falando, considerar o filme acima da mediocridade...

É a tal coisa, são opiniões e todas têm que ser respeitadas, desde que exista fundamento para as mesmas...

Cumprimentos cinéfilos!