sexta-feira, junho 23, 2006

La maman et la putain



"La maman et la Putain" é a obra prima do conturbado realizador francês, Jean Eustache, que acabaria por se suicidar muito novo, sem a possibilidade de nos deixar um extenso acervo fílmico. É também o filme que, talvez formalmente, marca o fim e o declínio da "Nouvelle Vague".

Rodado a preto e branco e com a duração de três horas e meia, "La maman et la Putain" é um ensaio sobre o triângulo amoroso, sobre os gigolo's e as putas, sobre as mulheres avant-gárde e os intelectuais. Um filme datado, sem dúvida, que terá perdido importância, sobretudo devido à banalização dos temas em que se debruça.

Jean-Pierre Léaud interpreta Alexandre, um homem ocioso, cuja vida oscila entre os cafés parisienses, os livros, as conversas com amigos intelectuais, as conquistas de novas mulheres e o dia a dia com a sua amante de meia idade. Alexandre não tem nada, não precisa de ter nada... Vive uma vida de galã, talvez pelo facto de ter perdido o grande amor, com quem coabitou durante alguns anos. A sua companheira é quem o sustenta e quem lhe dá guarida. Não são propriamente um casal e as suas vidas estão envoltas pela sombra da infidelidade, por vezes confessada abertamente, sem complexos aparentes.

Alexandre conhece outra mulher, uma enfermeira, e vê nela um substituto do seu velho e maior amor. Não tarda que Alexandre, a sua namorada e a enfermeira durmam juntos, comam juntos, vivam juntos...

Este é um filme sobre o amor e sobre o prazer, uma reflexão sobre a condição feminina pós "Maio de 68". Aborda-se o estigma que norteia a mulher tradicional, no que diz respeito ao sexo, como se houvesse mulheres que o fazem, umas por prazer e outras por dever, umas putas, outras mães...

Um filme sobre o falso poder dos homens e o, acutilantemente dissimulado, poder das mulheres. Talvez por isso, quando a final, a amante enfermeira deixa de querer Alexandre, nos lembremos de "O último tango em Paris" e da parábola do homem que tem a mulher que quiser até ao dia em que esta deixa de o querer...

3 comentários:

Hugo Alves disse...

Apesar dessa faceta datada, acho que o filme extravasa a condição feminina e o sexo. É o filme sobre a palavra. Um filme em tom literário (todos se tratam por Vous, como se dum romance se tratasse), desde a sua faceta mais comum do calão até ao texto cuidado. Depois de o ver fiquei com uma sensação de vazio. É um filme que marca, pelo seu tom melancólico. Pelo seu tom amargo. Mas também pela sua beleza e monumentalidade, apesar de ter sido rodado com meios mais do que diminutos...

Abraço!

Anónimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on! Natural or herbal sexual enhancement supplements discount headsets Some old acuras Cell phone plans in newfoundland Web host for window linux server Rss reader for blackberry Model dbl 2000 serial number 0307150014 Call center asp outsourcing Wide angle entrance door surveillance camera lipitor Car 54 where are you season 1 dvd One more night downloads wheelchair groupie

Dr. disse...

Choose cialis and boost your sex-life into the orbit!!! Feel like 18 and impress your partner and make her happy but don't forget to consult your doctor before you actually consume cialis as it is a precription drug. http://www.buy-cialis-online-now.com